Plano de Previdência Privada: Saiba tudo sobre como funciona

Pensar no futuro exige olhar para dentro de si mesmo e definir metas e objetivos. Planejamento é o nome disso: e é exatamente aí, nessa etapa, que os planos de Previdência Privada podem entrar para ajudar.

Plano de previdência privada como funciona.

Saber tudo sobre como funciona um plano de Previdência Privada é fácil, e a gente vai te explicar logo, logo. Mas, antes de darmos início à leitura, é preciso que o leitor saiba que, antes de cogitar um investimento desses, é preciso conhecer os objetivos de vida.

Até parece papo de auto-ajuda - mas não é. Fato é que, apesar do nome do investimento remeter diretamente ao INSS, com sua previdência oficial, muitas pessoas acabam encarando este produto como aposentadoria, só que privada.

Entretanto, conhecer seus sonhos e objetivos futuros é o melhor primeiro passo para pensar em adquirir o melhor plano de Previdência Privada para você. Afinal de contas, o produto não é apenas complemento de aposentadoria pública ou recebimento de valores mensais, nos mesmos moldes dela.

Vamos voltar ao funcionamento do investimento

Depois de pensar qual o objetivo o investidor quer realizar ao realizar o investimento, é hora de entender como ele funciona. E podemos dizer que há duas fases:

  • Fase de acumular: aqui, de acordo com o que foi contratado, será preciso aportar, mensalmente, por determinada quantidade de anos, o valor combinado. É a fase em que, além de acumular patrimônio, a empresa contratada fará o seu dinheiro render.
  • Fase de resgatar: depois dos anos todos acumulando os valores acordados, chega o prazo para resgate. E ele também pode ser feito de duas maneiras: ou por meio de recebimento de um valor mensal combinado; ou de maneira integral, por um saque único, quando o montante (aportes+rendimentos) ficará integralmente disponível para você.

Como resgatar plano de Previdência Privada?

Agora é possível fazer uma conexão com o que foi dito mais acima, sobre os seus sonhos: se você tiver uma quantia inteira (se optou pelo resgate integral e não por recebimentos mensais), no momento do resgate, poderá realizar o seu sonho. Qualquer que ele seja.

E isso é uma das maneiras mais fáceis de visualizar como este investimento dá muita liberdade para o investidor, uma vez que, diferentemente da aposentadoria oficial, poderá escolher o que fazer com o seu montante.

Quanto custa o investimento?

Essa pergunta influencia diretamente na escolha do melhor plano para você. Não há resposta certa, pois este produto é, praticamente, personalizável. Somente o investidor, ao escolher as ofertas mais atrativas, é quem poderá calcular qual custo estará disposto a pagar.

Sim: há taxas na maioria dos planos. Isso porque a empresa contratada (bancos, fintechs, conselhos de classe, dentre outras) estará administrando o seu dinheiro, fazendo-o render, para atingir o que foi contratado.

É só questão de avaliar.

Qual o rendimento da Previdência Privada?

Este é outro item de flexibilidade do investimento, uma vez que cada empresa possui sua estratégia. Fato é que é preciso avaliar qual o rendimento você contratará, para conseguir acompanhar os gráficos de rendimentos.

Quanto mais render, melhor. Contudo, é preciso entender que se há muita chance de render mais, provavelmente, a empresa aplica o seu dinheiro em produtos mais arriscados e, portanto, é possível que as taxas sejam mais caras.

Isso não tem problema, se for adequado ao seu perfil. Repetimos: é preciso se conhecer e saber o que quer atingir.

Qual plano contratar: VGBL ou PGBL?

Além de todos esses aspectos a serem analisados, é hora de escolher qual plano é melhor para o seu perfil: o VGBL ou o PGBL. A diferença reside, basicamente, na declaração do Imposto de Renda.

O VGBL, cuja sigla significa Vida Gerador de Benefício Livre, é considerado um investimento financeiro simples, no qual recai tributação apenas sobre os rendimentos - e não sobre os aportes mensais. É um plano bem interessante para quem está isento de declarar IR ou para quem o faz através do modelo Simplificado. Para quem também possui intenção de incluir beneficiários no plano, é interessante, pois, em caso de falecimento, o investimento não entra no espólio, garantindo rápido acesso ao montante.

Enquanto o PGBL, "Plano Gerador de Benefício Livre", é indicado para quem declara o IR através do modelo Completo. Ele pode ser deduzido, em até 12% da renda anual tributável, desde que o contribuinte, como já dito, envie a sua declaração via modelo Completo e, também, contribua com o INSS. Contudo, vale destacar que o Imposto de Renda sobre o valor dos aportes e rendimentos deduzidos, ao longo dos anos, será cobrado no momento do resgate. É como se fosse uma antecipação. Vale a pena considerar.

Podemos terminar esta leitura indicando que, sim, a Previdência Privada é um bom investimento. Basta organização e conhecimento, para que sejam analisadas as melhores taxas e oferta de rendimentos, que levarão você a realizar o seu sonho. Seja ele uma aposentadoria confortável ou a compra de um imóvel.

O que você achou do post?

0 Respostas

Deixe seu comentário