Canal da Leoa

Tudo sobre Imposto de Renda

Conteúdo grátis com qualidade sobre IR

Nota de corretagem: como entender e interpretar

Investidor, entenda para que serve e como fazer a leitura correta de uma nota de corretagem. Saiba de que forma isso pode evitar problemas na declaração do Imposto de Renda e confira outros benefícios da interpretação correta do documento!

Nota de corretagem

Para entender e interpretar uma nota de corretagem, investidores precisam acessá-la em sua versão digital, analisar todas as informações nela contidas, estudar com atenção os dados relacionados às operações que ficam no final da página e inclusive separar e anotar tudo o que considerarem importante para a declaração de ações no Imposto de Renda, o que ajuda até mesmo a não cair na malha fina.

Uma nota de corretagem contém todas as informações necessárias sobre determinado investimento e fazer a leitura desses dados não é tão complicado quanto muita gente imagina, assim como baixar o documento pelo computador e até mesmo lançá-lo na declaração do IRPF.

Tem vontade de aprender? É só continuar a leitura!

O que é a nota de corretagem?

É um documento comparado a uma nota fiscal comum, daquelas que a gente recebe quando faz compras no supermercado ou na farmácia e é considerado um equivalente mais simples de nossos extratos da conta bancária.

Ela é um extrato diário de operações feitas na B3 por cada investidor e contém, geralmente, os seguintes dados:

  • Valor de aquisição ou venda do(s) ativo(s) em questão;
  • Qual(is) ativo(s) é/são esse(s);
  • Valores de taxas;
  • Percentual de corretagem;
  • Custo total da operação.

Seu funcionamento também não é tão complicado. Acompanhe!

Como funciona a nota de corretagem?

Ela funciona como um “informativo do dia”, que repassa ao investidor tudo o que ele precisa saber sobre as movimentações realizadas na Bolsa de Valores naquela determinada data.

Quem tem responsabilidade exclusiva de emitir o documento é justamente a administradora do ativo operado pelo investidor, seja essa administradora uma instituição bancária ou uma corretora.

Na maioria das vezes, ela é gerada ao término da transação na B3 e fica disponível dentro de algumas horas, geralmente no mesmo dia, em versão impressa ou digitalizada para análise e uso por parte do investidor.

Se você não receber o documento automaticamente, talvez seja o caso de solicitar sua emissão junto à administradora.

Como ter a nota de corretagem em versão digital?

Quase todas as notas, senão todas, já podem ser acessadas através do computador ou do celular. A versão online do documento geralmente fica disponível para acesso através do site ou do aplicativo da administradora dos ativos e pode ser exportada em formato de planilha ou baixada como arquivo PDF para posterior impressão.

Entre em contato com a sua corretora ou com o atendimento do seu banco para descobrir o passo a passo e acessar a nota sem complicações. Depois, faça testes para saber como fica mais fácil e visual para você fazer a leitura e interpretação: com ela aberta na tela do computador ou através de um papel em mãos.

Como interpretar nota de corretagem?

Comece analisando quais informações fazem parte do documento e porque elas estão lá, mesmo que não lhe interessem muito. Aproveite para verificar se os dados estão corretos e entre em contato com a administradora da sua operação caso não estejam.

Chegou a hora de saber em detalhes como entender a nota de corretagem, agora que você a tem em mãos!

Analise as informações do topo da nota

A primeira parte contém o número da nota (para controle), a data de sua emissão e todos os dados da corretora ou instituição bancária, como:

  • nome;
  • endereço;
  • contato (e-mail e/ou telefone); e
  • CNPJ.

Confira também as suas informações pessoais, seu número de conta na corretora ou banco e seu código de cliente, além de dados relacionados à(s) operação(ões) daquele dia, como quais ativos foram operados (mercadoria), quantidades dos ativos, a data de vencimento deles, o tipo de operação (compra ou venda), valor (da compra ou da venda), taxas operacionais e impostos.

Tudo certo? Então, vamos à segunda parte, que é a que mais preocupa o investidor.

Estude com atenção os dados da parte inferior do documento

Aqui está uma listagem de todos os dados contidos na segunda parte da nota de corretagem, relacionados às operações Day Trade feitas no mercado futuro da Bolsa de Valores (BM&F):

  • venda e compra disponível;
  • venda e compra opções;
  • valor dos negócios - soma dos créditos e débitos das operações do dia sobre a qual falaremos mais adiante juntamente com outros pontos dessa lista;
  • IRRF;
  • outros;
  • IRRF operacional;
  • IRRF Day Trade;
  • taxa operacional;
  • taxa de registro BM&F - fixa e cobrada por contrato negociado;
  • taxas BM&F - igualmente fixa e cobrada por contrato negociado;
  • outros custos;
  • impostos;
  • ajuste de posição;
  • ajuste Day Trade;
  • total de custos operacionais;
  • total conta investimento;
  • total conta normal;
  • total líquido; e
  • total líquido da nota.

Depois de conhecer cada ponto, anote em um lugar separado os valores que forem mais importantes para o preenchimento e cálculo do seu Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF) e para a declaração do Imposto de Renda. Mostraremos no próximo tópico quais são esses valores.

Separe o que for mais importante

Faça anotações para visualizar com facilidade os valores que aparecem nos espaços indicados com: “valor dos negócios”, “total de custos operacionais”, “total líquido”, “IRRF Day Trade” e “total líquido da nota”.

Lembre-se de observar as letras que aparecem ao lado de cada valor: 

“C” sinaliza crédito ou lucro, enquanto “D” aponta um débito ou prejuízo.

Tenha em mãos os seguintes dados:

  • valor dos negócios - quanto você ganhou ou perdeu, ainda sem desconto de taxas e sem desconto do IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte);
  • total de custos operacionais - a soma das taxas BM&F que constam no documento;
  • total líquido - o valor total da negociação menos o total dos custos da operação;
  • IRRF Day Trade - que é justamente o Imposto de Renda Retido na Fonte (1% do total líquido);
  • total líquido da nota - quanto você ganhou ou perdeu já com desconto dos custos operacionais e do IRRF (justamente o valor que deve bater com a sua declaração de Imposto de Renda).

Uma vez feita essa organização e finalizada a interpretação, aí sim será o momento de preencher o DARF e pagar os valores devidos, se houver. Vale dizer que esse não é o único motivo para você ler o extrato com toda a atenção possível. Quer ver só?

Por que saber interpretar nota de corretagem?

São várias as vantagens de uma interpretação correta dos seus dados de operações na Bolsa de Valores. Existem 4 benefícios principais da leitura de notas de corretagem além do preenchimento adequado do Documento de Arrecadação de Receitas Federais. Conheça-os a seguir.

1.  Ter melhor controle financeiro

Investidores que ainda buscam alternativas para ter melhor controle de dividendos e que querem ampliar seu controle financeiro no geral precisam interpretar com cautela qualquer nota de corretagem que receberem. Fazer anotações, destacar valores importantes e utilizar os dados nas próximas operações pode significar uma grande mudança!

2.  Saber se vale a pena investir novamente ou até mesmo vender as ações

A interpretação da nota pode funcionar como um bom comparativo para investidores saberem se repetem determinada operação ou não. Como o documento informa valores de ações quando compradas e vendidas, o investidor pode utilizá-lo para:

  • calcular lucros ou prejuízos a partir do preço de aquisição dos papéis;ou
  • saber se vale a pena comercializar os ativos que adquiriu.

3.  Avaliar a cobrança de taxas em cada operação

Esse extrato também é valioso quando falamos sobre avaliação de taxas de corretagem fixas ou variáveis, por exemplo. A cobrança exacerbada de taxas pode fazer com que o investidor troque a administradora dos seus ativos na bolsa, você sabia?

4.  Não cair na malha fina

Por último, mas não menos importante, um dos grandes benefícios da interpretação correta de uma nota de corretagem é o de não cair na malha fina do Imposto de Renda e ele interessa principalmente aos investidores que têm aplicações muito diferentes umas das outras: os valores informados ao Fisco devem ser iguais aos que constam no extrato, caso contrário, o contribuinte pode enfrentar problemas.

Como lançar notas de corretagem no IRPF?

As notas de corretagem não serão especificamente lançadas no Imposto de Renda, mas utilizadas para que você declare seus investimentos por lá.

Para a declaração do IRPF 2022, por exemplo, investidores devem reunir todas as suas notas - mês a mês - de operações feitas no decorrer de 2021 e utilizar as informações que nelas constam ao preencher o que é solicitado pela Receita Federal.

Pessoas que tenham investimentos não tributáveis deverão apenas lançar suas informações na ficha de “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” e investidores cujas operações tenham cobrança de valor por parte do governo usufruirão dos dados da nota de corretagem para informar corretamente quanto lucraram ou perderam e quanto foi pago ao Fisco através de DARFs, em decorrência do investimento.

São investimentos que possuem rendimentos isentos do Imposto de Renda:

  • LCI e LCA;
  • CRI e CRA;
  • Debêntures Incentivadas;
  • Fundos Imobiliários;
  • Dividendos de ações; e
  • Ações em que as vendas não ultrapassem R$ 20 mil no mês.

Por outro lado, existem os rendimentos tributáveis, que são aqueles ativos que não são isentos do IRPF, obviamente, nesta lista, entram quaisquer vendas de ações que ultrapassem R$ 20 mil no mês e todas as operações Day Trade.

Ufa! Anotou tudo? Então, vem descobrir como transformar a organização das suas notas em um processo mais simples.

Existe algum jeito mais fácil de administrar as notas de corretagem?

Na verdade, existe sim. Hoje em dia, algumas plataformas comandadas e gerenciadas por especialistas da área financeira podem ajudar e facilitar a vida dos investidores ao redor do País. Um bom exemplo é a ferramenta da Leoa+, voltada para apuração mensal de investimentos na Bolsa de Valores.

O que faz a Leoa+?

Muita gente chama a plataforma de “calculadora de Imposto de Renda” só que suas funcionalidades vão muito além disso e permitem gerenciar o IR de ponta a ponta: desde a contabilização mensal até a declaração que precisa ser feita anualmente.

Contar com essa ferramenta é também poder ter emissão do DARF sem se preocupar com análises minuciosas de notas de corretagem e resultados de operações. Além disso, você pode entregar o Imposto de Renda para a Receita Federal sem receio de cair na malha fina.

Inclusive, através da Leoa+, você consegue automatizar a emissão das suas notas de corretagem, viu?

Qualquer investidor consegue usar a ferramenta?

Sim. São exemplos de carteiras de investimentos que a Leoa+ ajuda a ficar em dia com o Fisco:

Gostou? Então, não espere mais para fazer parte da maior comunidade de Imposto de Renda no Brasil. Vem experimentar a plataforma da Leoa gratuitamente.

O que você achou do post?

0 Respostas

Deixe seu comentário

Cálculo automático do
Imposto de Renda dos
seus investimentos

Compre e venda sem medo de cair na Malha Fina.

começar agora