Canal da Leoa

Tudo sobre Imposto de Renda

Conteúdo grátis com qualidade sobre IR

Como investir em ouro: passo a passo

Todo mundo já ouviu falar em ouro, mas saber como investir em ouro efetivamente é um assunto que poucos conhecem. Vamos aprender mais?

Como investir ouro

Dizem por aí que barras de ouro valem mais do que dinheiro, não é? Mas será que esse negócio é para você? Foi pensando nisso que escrevemos este artigo com todos os detalhes para quem quer saber como investir em ouro.

O ouro é uma boa escolha para quem deseja proteger seu patrimônio contra as incertezas do mercado financeiro, por ser um ativo considerado resiliente e valioso no mercado mundial. Mesmo durante a pandemia, esse cenário se manteve.

Assim, o ouro se mostra como um dos melhores investimentos para quem acredita que crises econômicas possam abalar seus planos. Mesmo investidores iniciantes podem apostar nessa ideia, desde que busquem estudar sobre esse mercado.

Vale a pena investir em ouro?

A verdade é que não há como dizer que o ouro não é uma opção de investimento interessante, seja você um investidor arrojado, moderado ou conservador. Diferentemente de outros tipos de ações, esse metal precioso tem valor e demanda sempre garantidos.

Isso porque a moeda é um ativo físico, que trabalha como uma reserva monetária em todo o planeta.

Por ser visto como um recurso escasso e por ser um dos ativos mais antigos do mercado financeiro, investir em ouro é uma ótima ideia para ter alguma proteção em momentos de crises e instabilidades. É um porto seguro.

Como funciona investimento em ouro

Agora vamos falar da parte prática: é muito importante entender como esse metal funciona no mercado financeiro para que sejam feitas as melhores escolhas possíveis.

Saiba que você precisará acompanhar as flutuações no preço do ouro que, aqui no Brasil, funciona como uma moeda e, portanto, é diretamente influenciado pelo preço do dólar.

Assim, o valor desse ativo depende muito da oferta e demanda, que pode sofrer influência de diversos setores, como da economia, da taxa de juros e do índice de inflação .

Economia

É comum que a busca por investir em ouro esteja relacionada com momentos de instabilidade econômica. Isso faz com que o valor desse ativo suba por causa da alta demanda.

É por essa razão que o ouro dependerá sempre do contexto nacional e também de cenários da economia internacional.

Taxa de juros

A taxa de juros também se relaciona de forma direta com a demanda por esse tipo de ativo: em períodos de menor taxa de juros, ativos ligados à renda fixa perdem valor e investidores acabam escolhendo moedas que melhorem o potencial de retorno, como o ouro.

Índice de inflação

O índice de inflação também influencia as cotações do ouro, porque a instabilidade econômica anda lado a lado com a temida inflação.

Como investir em ouro na bolsa

Existem três tipos de investimentos possíveis em ouro. Vamos explicar cada um deles para você entender qual é o melhor para o seu caso.

1.  Fundos de investimento em ouro

Essa é conhecida como a escolha mais acessível, pois não é preciso passar por nenhuma burocracia para comprar ouro em espécie. É quando o investidor terceiriza a gestão do ativo para um profissional.

Os fundos de investimento nesse caso têm duas modalidades: o passivo, que é quem compra e vai sofrer com as variações de preço, e o ativo, que é quem compra e vende ouro conforme as condições do mercado, a fim de atingir maior rentabilidade.

2.  Contratos futuros

Esse tipo de investimento em ouro acontece de forma direta na Bolsa de Valores. Quem faz essa escolha precisa fazer a compra e abrir uma conta em uma instituição financeira, que vai possibilitar o acesso ao investimento.

Essa opção é bem interessante, pois o ouro negociado tem qualidade garantida. A compra é feita de maneira online e o investidor também pode utilizar o mesmo sistema para fazer negociações de venda dos ativos. As transações de contratos futuros lembram muito investimentos em ações.

3.  Barras de ouro

Uma opção que ouvimos falar por aí é a compra de barras de ouro. Entretanto, essa é a modalidade mais complicada de fazer o investimento.

Quem decide comprar ouro precisa encontrar uma instituição financeira que realize a comercialização do metal. É feito um cadastro do investidor e é necessário efetuar compras acima de R$ 10 mil.

Você também precisa ter o chamado banco custodiante, que armazena as barras de ouro, o que implica em um pagamento mensal de uma taxa de custódia, calculada sobre o volume financeiro mantido, que varia de 0,07% a 0,20%.

Você também pode fazer a compra física em uma distribuidora de metal e manter a custódia em casa. Porém, nesse caso, as chances de perdas são maiores, pois o ouro não estará em total segurança.

Passo a passo de como investir em ouro

Para ajudar você a entender como investir em ouro no Brasil, construímos um passo a passo bem simples para quem está pensando em começar esse tipo de investimento:

  1. Descubra seu perfil de investidor para fazer os investimentos certos: você é mais arrojado ou mais conservador?
  2. Escolha uma instituição financeira para abrir sua conta e selecionar o fundo em que deseja fazer as aplicações.
  3. Transfira o dinheiro para a conta da empresa intermediadora e faça a aplicação no fundo escolhido.
  4. Só faça resgates em caso de emergências, pois o objetivo de investir em ouro é proteger seu patrimônio.

Importante: o valor mínimo para investir em ouro depende do tipo de investimento escolhido. Em alguns fundos de investimento é preciso fazer aplicações mínimas que variam de R$ 100 a R$ 5 mil, com taxa de corretagem entre 0,5% e 2% ao ano. E no caso das barras de ouro, como já citado, é preciso fazer compras acima de R$ 10 mil.

Tributação para investir em ouro

Existem duas taxas de tributação para investidores em ouro: de custódia e de corretagem.

A taxa de custódia é cobrada mensalmente, calculada com base no preço médio da cotação OZ1D no dia e 0,121% quantidade de gramas. O resultado desse cálculo é dividido por 30.

Quem compra ouro e guarda em casa não tem custo de entrega. Já para o metal custodiado em banco, o investidor paga para essas instituições até 0,20% ao mês sobre o valor custodiado.

Lembrando que, no caso de investimentos em algum fundo, sempre haverá uma taxa de corretagem, que varia de 0,5% e 2% ao ano, dependendo da instituição, para cada operação realizada na Bolsa de Valores.

Por fim, também existe o Imposto de Renda, que é cobrado diretamente na fonte no momento da liquidação e dos come-cotas, incidindo sobre eventuais lucros. Como para IR sobre ações, até R$ 20 mil de movimentação não paga Imposto de Renda.

Viu como investir em ouro é fácil? Além disso, se você tiver dúvidas sobre como declarar seus investimentos em ouro no Imposto de Renda ou como fazer a apuração mensal dos tributos, conte com o Leoa+: da contabilização mensal até a declaração anual, você gerencia seus investimentos de ponta a ponta e sem risco de cair na malha fina!

O que você achou do post?

3 Respostas

Deixe seu comentário

Cálculo automático do
Imposto de Renda dos
seus investimentos

Compre e venda sem medo de cair na Malha Fina.

começar agora